Uma Outra Voz

Uma Outra Voz Jo O Jos Mariano Serr O Foi Um Republicano Convicto Que Contribuiu Decisivamente Para A Eleva O De Estremoz A Cidade E O Seu Posterior Desenvolvimento Solteiro, Generoso E Empreendedor Como Poucos, Abriu Lojas, Caf S E Uma Oficina, Trouxe A Electricidade S Ruas Sombrias E Criou Um Rancho De Sobrinhos A Quem Deu Um Lar E Um Futuro Em Torno Deste Homem Determinado, Mas Tamb M Secreto E Contido, Que Giram As Cinco Vozes Que Nos Guiam Ao Longo Destas P Ginas, Numa Viagem Que A Um Tempo Pessoal E Colectiva, Porque N O Raro As Est Rias Dos Narradores Se Cruzam Com Momentos Chave Da Hist Ria Portuguesa Assim Conheceremos Um Adolescente Que Espreitava Mulheres Nuas E Ria Nos Momentos Menos Oportunos A Noiva Cujos Olhos Azuis Guardavam Um Terr Vel Segredo Um Jovem Apaixonado Pela Melhor Amiga Que V A Vida Subitamente Atravessada Por Uma Trag Dia A M E Que Experimentou O Esc Ndalo E Chora A Partida Do Filho Para A Guerra E Ainda A Prostituta Que Escondia Documentos Comprometedores Na Sua Alcova E Recusou Casar Se Com O Homem Que A Amava Por Fim, Quando Estas Vozes Se Calam, Tempo De Ouvirmos O Protagonista Atrav S De Um Di Rio Escrito Noutras Latitudes E Ressuscitado Das Cinzas Muitos Anos Mais TardeBaseado Em Factos Reais, Uma Outra Voz Uma Fic O Que Nos Oferece Uma Multiplicidade De Olhares Sobre A Mesma Paisagem, Urdindo A Hist Ria De Uma Fam Lia Ao Longo De Um S Culo Atrav S Das Revela Es De Cada Um Dos Seus Membros, Numa Interessante Teia De Complementaridade

Gabriela Ruivo Trindade nasceu em Lisboa em 1970 Formou se em Psicologia e trabalhou como psic loga e formadora profissional at 1999 Vive, desde 2004, em Londres, onde se dedica ao artesanato e escrita, paix o que a acompanha desde crian a J na prim ria os seus textos eram apreciados tanto por professores como colegas de turma autora dos blogues Far Far Away papuinlondon.blogspot.com e

[Read] ➲ Uma Outra Voz  By Gabriela Ruivo Trindade – Uc0.info
  • Paperback
  • 336 pages
  • Uma Outra Voz
  • Gabriela Ruivo Trindade
  • Portuguese
  • 11 June 2019

10 thoughts on “Uma Outra Voz

  1. says:

    Este livro, que foi pr mio Leya em 2013, constr i uma fic o de arraiais assentes no Alentejo um livro alentejano , sem d vida, e isso bom , a partir, segundo percebi, da personagem real Jo o Francisco Carre o Sim es, que foi importante no desenvolvimento da cidade de Estremoz at meados do s culo XX Aqui, JFCS transmuta se na figura de Jo o Jos Mariano Serr o, que conhecemos essencialmente pelo olhar dos que o rodeiam, uma vez que o testemunho do pr prio escasso e surge apenas no final do livro Conhecemo lo, pois, atrav s de cinco outras vozes, que andam para tr s e para diante ao jeito das recorda es Ou melhor, cada voz avan a dentro da sua poca, mas andamos, por vezes, s arrecuas de uma para outra voz No fim, conseguimos uma imagem do homem, mas, tendo lido o livro aos poucos levei, segundo o GoodReads, um m s inteiro , concluo que conhecer o homem n o o mais importante Aquilo que marca a fam lia, a cidade, o Alentejo, certos momentos na Hist ria da cidade e do pa s, que s o abordados de forma lateral, mas, para mim, que os aprecio, s o relevantes Temos vozes femininas e masculinas e cada voz se apresenta com uma natureza pr pria, num momento diferente e com coisas distintas para contar, que n o parecem, num primeiro momento, contribuir de forma clara para uma hist ria global Aos poucos, por m, os fios v o se entrela ando e distinguimos a rela o entre narra es, descobrimos segredos que v o ficando de umas para outras que n o s o dif cies, a partir de certo ponto, de adivinhar, ou talvez seja culpa minha e do meu desconfi metro O livro conquistou me logo na primeira voz, p gina 25, que , na pr tica, a terceira p gina da hist ria, com uma descri o de uma brincadeira de mi dos, pela voz de um rapazola de quinze anos Brincadeira de m dicos, como todos tivemos, envolvendo a simula o de injec es Depois era a minha vez de levar a injec o, mas ela a irm era uma m dica bem mais cruel do que eu n o se contentando em esborrachar o gargalo de vidro contra a minha n dega, espetava tamb m a unha do indicador com tanta determina o que, n o raro, me arrancava gemidos de dor Entretanto, j eu estava a tentar puxar as cuecas para cima, desinteressava se do meu rabo e metia me a m o entre as pernas procura da lombriga Era assim que ela dizia, lombriga, e eu sentia a faces escaldar e tentava em v o proteger me das investidas daqueles dedos que tudo faziam para me apertar as bolas.N o apreciei todas as vozes por igual, embora as tenha apreciado muito quase todas, pelas diferen as de tom e de conte do A nica que me fez passar algumas p ginas foi a terceira, por uma quest o de gosto pessoal N o me seduzem as vozes que clamam pela morte, que se rodeiam de desgra a ainda que, neste caso, seja compreens vel e que a parte da hist ria narrada por ela, a voz masculina, seja interessante Pareceu me tamb m a mais distante do n cleo central da hist ria, at no tempo, e a que menos acrescenta ao seu panorama geral A voz da prostituta, a ltima ao contr rio, provavelmente a mais relevante na constru o da personagem que motiva o livro e deliciosa.Tinha alguma inten o de passar as p ginas do di rio no fim do livro tive v rios di rios em mi da, mas a diar stica tende a aborrecer me mas acabei por n o o fazer Ainda bem Estas p ginas decorrem em Angola, onde nasci, e refor am a imagem que tenho recebido dela por via interposta, uma vez que eu pr pria n o tenho recorda es a que tenho vindo a transp r, aos solu os, para um livro que pdoe levar uma ou duas eternidades a terminar Esta parte do livro tem, tamb m, uma das express es de amor mais bonitas que tenho lido Se tu fosses uma rvore, meu amor, serias um embondeiro Grande, s lida, resistente, e subitamente transbordante de flores puras como aves, e de frutos que escondessem toda a frescura de uma noite sem lua Uma leitura, sem d vida, muito interessante conforme est em

  2. says:

    2,5 Uma hist ria contada a cinco vozes que aborda epis dios marcantes do nosso passado recente a implanta o da Rep blica, o regime salazarista e a sua queda , partida, um bom cart o de visita Temo que tenha ficado pelas boas inten es.As vozes, de diferentes personagens masculinas e femininas em diferentes estados das suas vidas e em pontos distintos na linha cronol gica, s o todas muito semelhantes Todas partem do presente mas rapidamente se deixam inundar por mem rias que as levam, de forma um pouco bvia e atabalhoada, ao que realmente se quer contar o passado Parece demasiado for ado que se recorra sempre ao registo confessional que acaba, muitas vezes, num registo quase epistolar Pior do que isso a crescente desgraceira, cada um mais miser vel do que o anterior puxando a si o esp rito melodram tico dos portugueses.O di rio final, da personagem central deste romance, seria perfeito se criasse no leitor a d vida de poder ser ver dico Descartei essa hip tese por achar que, em 1930, um homem de setenta anos, determinado, destemido e trazendo s costas um passado revolucion rio, n o escreveria daquela forma nem exclusivamente sobre aquela tem tica.Ficam as descri es bonitas de um meio rural, das tradi es de uma fam lia numerosa e de tempos de mudan a que precisam de ser recordados com maior frequ ncia Fora isso, fico com a sensa o que este livro n o traz nada de novo Est bem escrito mas l lo pouca diferen a far na vida do leitor.

  3. says:

    S o cinco vozes femininas e masculinas que comp em a primeira parte da hist ria de uma importante fam lia de Estremoz v rias gera es, sempre narradas na primeira pessoa Na segunda parte, incluem se fragmentos do di rio de Jo o Mariano, ti Mariano, bem como fotografias e elementos bibliogr ficos do familiar que serviu de base ao her i deste romance, o republicano, empres rio, pessoa extraordin ria e fundador de v rios com rcios em Estremoz, Jo o Francisco Carre o Sim es.Destacam se as personagens femininas, fortes, voluntariosas, como a m e dos jovens das duas primeiras hist rias, e que surge como quarta voz m e solteira e independente e, principalmente, a mulher da vida do ti Mariano, como a quinta voz.Entre passado e futuro, as diversas vozes contam as suas hist rias, de amor, sofrimento, ang stia, raiva, arrependimentos, numa narrativa muito flu da, sens vel, pontuada pelos di logos e express es caracter sticas alentejanas gaiatos , cara linda e outras palavras que aparecem no gloss rio, no fim do livro, que muito o enriquecem e homenageiam, desta forma, o Alentejo.Gostei muito de o ler e adorei a forma como a autora encontrou, atrav s de factos reais, criar uma bela fic o, que inclui as entradas de um di rio at ent o desconhecido a segunda parte do romance, o di rio do ti Mariano e descoberto d cadas depois, pela neta da quarta voz Um aux lio precioso minha leitura foi a rvore geneal gica no in cio do romance estava constantemente a estud la, para situar as personagens.

  4. says:

    Jo o Jos Mariano Serr o um personagem com ideias republicanas fortes, inspirado num familiar da autora e que teve um papel preponderante na cidade de Estremoz O que Gabriela Ruivo Trindade nos pretende mostrar o Ti Mariano pelos olhos dos outros e pelas vozes, mais precisamente cinco, de pessoas que conviveram com ele Por fim, nos apresentada a voz dele, atrav s de p ginas de di rio.Depois do primeiro capitulo, ou do primeiro relato lido, aquilo que mais me ficou no olho foi a escrita Cuidada, sem ser exageradamente rebuscada, profunda mas aos mesmo tempo descontra da O livro tem um car cter depressivo que pode n o cair bem a todos os leitores, mas isso tem a ver com ser uma alma portuguesa a escrever Quem l este livro com a capa tapada apercebe se que algu m com o fado nos dedos.Apesar de tecnicamente o livro ser centrado num personagem h muita hist ria paralela contada naqueles relatos todos Ali s, dentro de relatos do Z , da L dia ou da m e do Z , h peda os mais da vida deles do que do Ti Mariano O que bom, seria demasiado repetitivo tudo volta da mesma personagem um livro baseado em pessoas e acontecimento reais, com um cheirinho de romance hist rico N o h grandes momentos de di logo, h , na maioria das vezes, textos corridos que nos v o transportando para diferentes momentos do tempo e dando nos a vis o de diferentes ngulos N o um livro que agradar a todos, mas foi um pr mio bem atribu do e pelo que li, merecido Esperam se, apenas, novos trabalhos da autora.

  5. says:

    Tenho uma queda especial por livros que contem hist rias sobre Portugal Acho que n o h obras suficientes que nos elucidem sobre as pessoas, as culturas e mentalidades, pelo menos fora das grandes cidades Esta , sem d vida, uma hist ria que me conquistou por desvendar um pouco de tudo isso, pela riqueza e fidelidade das vozes , ao longo de v rias d cadas como tentar desembara ar um emaranhado de narrativas pessoais, tentar perceber o que as une, tentar encaixar v rias pe as de puzzles que, sendo diferentes, formam um belo painel A diversidade enriquece as, tal como os seus cruzamentos Enquanto leitora, andei sempre procura de um sentido para elas Senti me como a autora se deve ter sentido uma crian a descoberta das hist rias da sua fam lia que, apesar de encobrirem segredos s vezes inc modos ou apenas dolorosos, nos fascinam como um legado her ico das gera es que nos antecederam Apesar das m goas destas vozes, acho que este um livro muito feliz ao contr rio do que costumo sentir depois de ler livros de muitos autores portugueses.

  6. says:

    Este o segundo vencedor do Pr mio Leya que li para o Clube de Leitura de Braga o primeiro foi O Teu Rosto Ser o ltimo e j come o a ver um padr o Nada de surpresas a Mas, confesso que gostei mais deste da Gabriela Ruivo Trindade.Este livro est contado a 6 vozes, com cinco hist rias distintas que acabam por estar interligadas numa sexta N o s o cem anos de hist ria, como o trailer quer fazer acreditar, porque na verdade s o s tr s gera es embora sejam 6 vozes , mas anda l perto.A primeira voz de um rapaz de 15 anos que os introduz fam lia mas que, infelizmente, est retratado como um mi do de 10 anos Naquele tempo eu duvido que um rapaz de 15 anos fosse t o imaturo e falasse daquela maneira Especialmente um que queria tornar se m dico Caramba, eu, que sou de uma gera o recente, aos 15 anos n o falava assim, quanto mais antes do 25 de Abril Com 15 anos j eram adultos Mas, tirando essa imaturidade, ele acaba por ser a persoangem perfeita para introduzir o leitor na hist ria.A segunda voz foi, para mim, a menos marcante N o fosse a revela o do padre, e parece me praticamente inconsequente.A terceira est l para falar do 25 de Abril e pouco mais N o me liguei particularmente com o narrador e achei que a narra o dos eventos poderia ser mais emotiva, mais vibrante.A quarta voz uma das mais esclarecedoras e uma das que mais gostei Desvenda muitos dos mist rios colocados nos relatos anteriores e a narradora das mais ricas.A quinta e ltima voz na verdade n o a ltima , sem d vida, a mais marcante, mas tamb m a mais frustrante Ana foi, ao mesmo tempo, a personagem mais forte e a mais irasc vel de todo o livro Ou n o fosse a sua teimosia e falta de auto estima factor de irrita o Mas, claro, n o podia ser de outra maneira, para a hist ria terminar como terminou.Gostei da forma como a autora usou esta narradora para desvendar mais perguntas levantadas pelos anteriores e como, no fim de contas, tudo ficou mais ou menos esclarecido No entanto tamb m achei que a Ana foi a mais estereotipada de todas as narradoras Isto porque a descri o da sua vida como prostituta muito corriqueira Parece mesmo ficcional N o h autenticidade.Por fim, os excertos do di rio do Ti Mariano, que acabam por ser a sexta voz, s o uma boa adi o, mas a voz muito semelhante ao resto do livro Teria sido imensamente mais interessante se fosse um di rio real, e n o algo mais inventado.Dito isto, eu detectei algumas inconsist ncias na narrativa Na quarta voz houuve uma cena em que o filho de uma das mulheres da vida morria e elas iam ao Padre pedir uma missa, mas ele ficou relutante e s aceitou depois do Ti Mariano intervir Isto n o faz sentido, tendo em conta que na quinta voz nos dado a saber que o padre, n o s simpatizante destas mulheres, como as respeita No Anexo 2 referido que Constantino Barbosa regressou depois do ex lio, antes de morrer e deixar a sua heran a ao Ti mariano, coisa que n o aconteceu no relato da Ana.Quanto escrita, acho que a autora conseguiu dar voz pr pria a cada uma das personagens e dot las de independ ncia Contudo nota se uma maior facilidade e genuinidade nas narradoras femininas.Eu teria, no entanto, gostado mais deste livro se fosse poss vel saber o que efectivamente real e o que fict cio Este livro tenta ser real mas, de alguma forma, n o convence totalmente.Em suma, Uma Outra Voz um livro agrad vel, com personagens interessantes e que contado de uma forma din mica que d mais valor hist ria, do que teria se fosse narrado numa s voz N o um livro surpreendente e acaba por estar muito na linha dos aclamados romances portugueses que se passam em tempos ingl rios, no interior de Portugal e que se fixam numa hist ria familiar Enfim, na sua ess ncia acaba por ser mais do mesmo mas a narra o est bem conseguida e um livro que se l muito bem.Nots da Edi o A capa muito semelhante s outras dos Pr mios Leya mas consegue igualmente passar um pouco da hist ria contida no livro.A inclus o das fotos no interior, foi uma boa adi o, embora o facto de serem fotos de uma poca que n o retratada no livro, seja uma menos valia.

  7. says:

    Uma Outra Voz o primeiro romance de Gabriela Ruivo Trindade e foi o livro vencedor do pr mio Leya 2013.Gostei muito deste livro, achei muito bem escrito, bem estruturado e muito original a forma idealizada pela autora para contar a hist ria ficcional de Jo o Jos Mariano Serr o hist ria baseada na da fam lia da pr pria autora.Cada cap tulo deste livro escrito na voz de uma personagem diferente, sendo que cada personagem pertence a uma gera o diferente e est numa poca diferente Cada cap tulo a pe a de um puzzle, que nos leva a descobrir, n o s a hist ria do personagem principal, como a hist ria de uma fam lia e muito subtilmente de Portugal.

  8. says:

    Um romance a v rias vozes, cada uma narrando uma hist ria pessoal, todas encadeadas a partir da mudan a de protagonista, ou de uma morte ou de outra perda qualquer Cada nova voz surge quando a outra se cala para sempre A vida que deixamos por viver carrega uma dor que se transmite As vozes d o lhe express o, corpo e alimentam a narrativa deste romance numa estrutura invulgar tecida com ineg vel sensibilidade.Ler mais em Acr tico leituras dispersas

  9. says:

    Estava realmente espera de mais deste livro Parece que as personagens com escolaridade e sem ela n o se distinguem pois parecem falar escrever todas da mesma maneira com as mesmas express esParece uma nica personagem

  10. says:

    Uma Outra Voz is a highly original, innovative and rich work of literary fiction Its clever blend of the collective and the individual the family story and the personal story, the history of a nation and the lives of ordinary people ensures that it is compelling, relatable and deeply human It is a strength of the book that each voice is at once self contained and important to the novel as a whole They have their own separate identities, but through each is woven the thread that binds the novel together and only read as a set do we see the full picture Running themes, stories and intrigues crop up across the different voices and we are given different perspectives on certain events As we proceed, we can put together the pieces of the overall puzzle and come to understand that it takes many voices to tell a story.Read my full review here

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *